terça-feira, 27 de janeiro de 2015

O Belo

Sei que a beleza é fundamental; a graça, a leveza a delicadeza e a jovialidade sempre foi destaque no comportamento humano desde que o mundo é mundo. É estranho e eu não tenho um vasto conhecimento no assunto historicamente falando, mas percebo um verdadeiro desespero das pessoas em transformar tudo em momento perfeito. A vida é bela!! Será? Acne, celulite, marcas tudo não pode. É feio, sujo e anti-humano. Você tem que ser a mulher ou o homem ideal desses tipos que só existem na Europa ou no Rio Grande do Sul.

Eu não sei aonde iremos com isso, à moda é falar de bullying, mas não das diferenças étnicas, raciais e até mesmo a genética de cada um.  Comerciais que circulam em meios de comunicação afirmam uma não aceitação de um tipo de pele ou cabelo. Criando ditaduras culturas somente para fins lucrativos e convencem você a ser algo incapaz de ser você. Até quando vamos nos permitir sermos ludibriados por propostas preconceituosas e que nos massacram intimamente para cada vez mais sermos exigentes em nossa condição humana. Isolamos pessoas, criamos verdadeiros exércitos de escravos na indústria da moda e tecnologia só para ditar moda e tirar a self no espelho para mostrar o mais novo celular em formato de telha que mais parece um tablete de 20 polegadas. A palavra chave é aparecer, ser uma estrela todos com seu brilho fabricado ofuscando uns aos outros, mentirosos, pois não estava tão feliz assim e nem era um momento importante e o lugar apenas um cenário forçado sem conteúdo e significado nenhum, sempre tentando estar de acordo, aceitável. Cadê a beleza nisso, cadê você nisso. 

domingo, 18 de janeiro de 2015

Problemas com a idade e outras questões



Não sei muito bem o que eu quero, não sei se todos sabem bem o que se é. Minhas últimas experiências mostraram-me a verdade de forma desencorajadora e desastrosa, eu não sei o que eu sou, apenas sei  onde estou, é mais fácil conviver aonde está do que saber o porque está. Por que temos a necessidade de nos firmamos se na maior parte das vezes estamos seguindo o fluxo da vida, ontem eu era uma criança, depois uma jovem cheia de expectativas agora caminhando para uma velhice sem escolhas. A velhice virá se não vem é por que morremos antes, que fato terrível. 

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Um longo dia


Despertar, se arrumar e cuidar para mais uma dia. Não existe uma regra apenas uma hábito de fazer a mesma coisa sem se dá conta que é o mesmo do mesmo. Anda, corre para pegar o ônibus, tirar o carro da garagem ou o trem, é apenas o comportamento de todo dia e sua vida repete tudo que foi feito no outro dia sendo que segue a sequencia da sua história. Cochila no ônibus ou no trem e presta atenção no congestionamento, até que se observar a vida alheia de forma de nos tornamos julgadores do comportamento do próximo sem nos tocar que transito andou, o ponto chegou e já esta na hora se saltar do trem. A buzina do carro de trás alerta que deve seguir em diante para mais uma dia normal desconhecido, tudo é previsível e ao mesmo tempo incerto. Pessoas aos montes vivem seu dia de acordo com a programação feita por elas mesmas  sem se dar conta, propositalmente criam as regras pessoais baseadas no conhecimento predeterminados por um monte de coisas que temos contato durante nosso tempo na Terra.
Pensar que somos especiais, que nos realizemos como pessoa faz do dia, um momento de tensão e esperança. Cria a condição essencial para que continuamos a pegar o ônibus, o trem e o carro em busca do algo mais, e mais... até o dia seguir sua sequência e nos mostrar o nosso papel em cada compromisso que assumimos cumprir.